Retinol: quais seus efeitos e forma ideal de usar? Saiba mais sobre o ativo que é o queridinho de quem tem pele madura

O retinol é um ativo poderoso no combate ao envelhecimento da pele. Famosos no universo dos cuidados com a pele, os retinoides são substâncias derivadas da vitamina A e comprovadamente eficazes para o tratamento da pele envelhecida pelo tempo ou pela exposição solar.

Nos cosméticos e produtos de skincare, o retinol costuma ser encontrado em gel, cremes ou séruns. Entre algumas das funções do retinol, as principais são:

  • Estimular a produção de colágeno e melhorar a textura da pele;
  • Diminuir a aparência de poros;
  • Tratar rugas e linhas de expressão de forma superficial;
  • Ação despigmentante, clareando manchas e cicatrizes.

Entretanto, o uso de produtos com retinol costuma vir associado a alguns efeitos colaterais, como irritação, vermelhidão e sensibilidade na pele. Por isso, existem alguns cuidados específicos para que seja possível incluir o retinol à sua rotina de pele sem prejudicá-la, e também existem alternativas ao ácido retinóico que podem ser uma boa opção caso sua pele seja sensível. 

Esclarecemos aqui tudo o que você precisa saber sobre o retinol. Confira!

Existe só um tipo de retinol?

O ácido retinoico é um potente regenerador celular, só pode ser aplicado sob orientação médica e seu uso só pode ser feito à noite, sem exposição solar. Porém, é importante saber que não existe apenas um tipo de retinol. Existem alternativas ao ácido retinoico comum, que desempenham resultados similares apresentando menos efeitos colaterais. 

Uma boa opção para quem tem pele sensível, por exemplo, são os “retinol-like”, substâncias que apresentam efeitos similares, mas sem os efeitos colaterais da irritação na pele ou a fotossensibilidade. Esses alternativos são, em sua maioria, substâncias de origem vegetal, tendo ação mais suave na pele e garantindo diversos benefícios. 

Quais cuidados preciso tomar ao usar o retinol?

O ácido retinoico comum causa uma sensibilidade forte na pele. Não é recomendado para peles sensíveis, ressecadas ou com outros problemas de pele – como rosácea, por exemplo. É ideal combinar o uso do retinol com muito – muito mesmo! – protetor solar e hidratantes de boa qualidade, para diminuir o risco de manchas e irritações na pele. 

Caso você opte por usar retinol-like, a exposição ao sol não é um problema – mas os cuidados redobrados com filtro solar e hidratação também são recomendados, já que a renovação celular também acontece. Em ambos os casos, é recomendado que se inicie o uso devagar e aumente a frequência de acordo com a tolerância da pele.

Existe uma idade ideal para começar o uso de retinol?

Se os sinais da idade já começam a te incomodar, é hora de começar os cuidados com a pele. No geral: limpeza adequada, hidratação, tratamentos e proteção solar. O retinol é apenas uma dessas etapas, que deve ser combinado com os outros cuidados para apresentar os melhores resultados.

A partir dos 25 anos, nosso corpo começa a diminuir a produção natural de colágeno e elastina da pele – portanto, os retinoides já podem ser usado para prevenção do envelhecimento. Em peles maduras, então, o ativo é um forte aliado no tratamento de rugas e linhas de expressão já aparentes. Invista!

É importante relembrar que cada tipo de pele exige cuidados específicos. Peles maduras e sensíveis, certamente se adaptarão melhor com o retinol-like. Mas lembre-se: consultar um dermatologista é sempre a melhor opção.